DE VOLTA AOS ANOS 80

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

TUTUBARÃO


Tutubarão (Jabberjaw em inglês) é um desenho da Hanna-Barbera produzido em 1976, que  mais uma vez seguia o estilo grupo de adolescentes com animal de estimação.
O desenho foi criado aproveitando o sucesso do filme Tubarão (Jaws), de Steven Spielberg, mas teve apenas uma temporada, com 16 episódios. Tutubarão é ainda muito lembrado hoje pela sua frase: "não tem nenhum respeito!"
Houve muitos boatos sobre processos e que o desenho seria uma imitação do Scooby-Doo, mas o desenho não saiu do ar. Diferentemente de Scooby-Doo, Tutubarão era muito corajoso e destemido, apenas a Leila o assustava.


O enredo de Tutubarão se passa no século XXI, ano de 2021. O astro é um tubarão branco e bondoso, tão feroz quanto um gatinho de dois dias. Engraçado, atrapalhado e sempre reclamando porque ninguém lhe dá o "devido respeito" (uma marca registrada do comediante Roger Dangerfield), Tutubarão tem muito do Curly, de Os Três Patetas. Assim como o cômico personagem da série de tevê, nosso amigo marinho tem alguns cacoetes de linguagem, repetindo várias vezes "Uh...uh...uh..." e "Nhac, nhac, nhac".
Nessa civilização do futuro em que Tutubarão vive, a humanidade mora no fundo do mar e estão perfeitamente adaptadas ao lugar. Dessa forma, aqua-cidades, aqua-móveis e aqua-naves são muito comuns.
Um grupo de adolescentes acompanha as aventuras do protagonista. Juntos eles formam um grupo musical chamado Os Netunos. Tutubarão toca bateria - excelente, diga-se; o líder do grupo Bife arrasa na guitarra; a esnobe Leila é a percussionista; Bolha - uma loirinha burra - é a tecladista e Lingüiça o contra-baixista. E são durante as viagens em turnê, que o grupo acaba cruzando com criminosos e vilões pérfidos. Como para salvar o mundo não basta cantar, nossos amigos precisam colocar a mão na massa e tentar solucionar os casos em que se envolvem.


Como qualquer protagonista, Tutubarão e sua turma sempre terminam bem, mesmo contando com um herói desajeitado e medroso tanto quanto Scooby-Doo. Quem não tem tanta sorte quanto o cachorro da Máquina do Mistério é o próprio "Tutu", que sempre acaba sofrendo na mão de Leila (por quem tem uma quedinha). A garota não suporta as palhaçadas e os beijos lambuzados de seu admirador.
O desenho durou dois anos (1976/78), mas a segunda temporada só mostrava reprises. Tutubarão apareceu novamente quase uma década depois como um dos competidores do desenho Ho-Ho-Olímpicos. Mas fica a pergunta que nunca quiz calar: Lingüiça e Salsicha eram parentes?

PERSONAGENS


FICHA TÉCNICA

Título: Tutubarão (Jabberjaw, 1976/EUA)  
Produção Executiva: William Hanna e Joseph Barbera
Criação: Joe Ruby e Ken Spears
Dublagem: Herbert Richers/RJ
Formato: 16 episódios em 1 temporada


terça-feira, 21 de dezembro de 2010

METRÔ


A década de 80 foi um período recheiado de opções no mundo musical, e muitas vezes ao falar dos anos 80, lembramos sempre de bandas internacionais, e eu me incluo nesse grupo, mas não podemos esquecer das bandas nacionais que marcaram a nossa época de infância e é por isso e por muitos pedidos. falarei também sobre o assunto.
Vou começar falando da banda Metrô, que foi uma banda nacional que misturava new wave e tecnopop formada em 1979 por cinco amigos e alunos do Lycée Pasteur na Vila Mariana na cidade de São Paulo
Formado por Virginie Boutaud (voz), Alec Haiat (guitarra), Yann Lao (teclados), Xavier Leblanc (baixo), Dany Roland (bateria) - todos eles franceses ou filhos de franceses radicados no Brasil , a banda ficou conhecida na primeira metade da década de 1980, quando obteve enorme sucesso nas paradas brasileiras através de várias canções de seu LP de estreia Olhar, "Beat Acelerado", "Sandalo de Dândi","Johnny Love", "Ti Ti Ti" e "Tudo Pode Mudar".

O INÌCIO

A banda nasceu com o nome de "A Gota" e depois "A Gota Suspensa" com inumeras formações, Otavio Fialho, Marcia Montserrath, Marcelo Zimberg, Freddy Haiat, Eli Joory, Mike Reuben, Deborah Srour, Helcio Muller, Vera Figueiredo entre outros, influenciados pelos anos 60 e 70 (Beatles, Tropicália, Novos Baianos, Rita Lee, Pink Floyd, etc). Com esse nome, o grupo lançou um LP independente em 1984. Apesar de não obter repercussão comercial, o disco chamou a atenção de varias gravadoras entre elas a CBS Records, que os contratou. A Gota mudou de nome e passou a se chamar "Metrô". O grupo também deixou o estilo rock progressivo e adotou uma linha mais pop rock, influênciados pela "new wave" (Blondie, Talking Heads, Laurie Anderson e Rita Lee).

O GRANDE SUCESSO

No final de 1984, o grupo gravou um compacto, com a música "Beat Acelerado", que obteve grande sucesso no Brasil. Em 1985, lançaram o LP Olhar. O grupo também participou da trilha sonora do filme brasileiro Rock Estrela, dirigido por Lael Rodrigues e Areias Escaldantes de Francisco de Paula. Nesse período outras músicas do grupo também fizeram grande sucesso no Brasil, como Tudo pode mudar (conhecida popularmente como No balanço das horas devido ao seu refrão) e Johnny Love.

A BANDA SEM VIRGINIE

O grupo passou a realizar inumeros e gigantescos concertos por todo Brasil (60 mil pessoas em Belem). O excesso de shows e de exposição, somadas as pressões comerciais, desgastaram a banda. No auge do sucesso, a cantora Virginie foi despedida deixando o Metrô em abril de 1986.
Convidaram então Pedro (d´Orey) Parq, ex-vocalista do grupo de rock português Mler If Dada, para substituir Virginie. Em 1987, lançaram o LP A Mão de Mao, álbum considerado "Cult", adorado e odiado por muitos. Virginie se juntou entao ao revolucionário compositor da "vanguarda paulista" Arrigo Barnabé (autor de Clara Crocodilo) tocando juntos em festivais e gravando uma obra inédita. Em 1987 formou uma nova banda, "Fruto Proibido", que lançou em 1988 apenas um álbum Crime Perfeito, acompanhada de musicos excelentes. Os outros cinco "Metrôs" se separaram em 1988. Yann foi convidado por Rita Lee e Roberto de Carvalho para assumir os teclados e foram pra Europa (Montreux Jazz Festival) etc. Alec e Xavier passaram a tocar com Kiko Zambianchi. Dany fez alguns shows com Nau (Vange Leonel, Zique, Beto Birger) (CBS) e com Okotô (André Fonseca, Cherry Taketani, Xavier, Andrei Ivanovic).

O RETORNO DA BANDA

Em 1990 Yann e Dany foram para Bruxelas onde formaram "The Passengers" (com Diako Diakoff e Denis Moulin) em 1992 lançando CD homônimo e fazendo vários shows pela Bélgica e França. Virginie casou-se com um diplomata e mudou-se para Namibia, depois Moçambique, Montevidéo e hoje vive em Madagascar. Anos depois, todos (com exceção de Virginie e Pedro D´Orey) voltaram ao Brasil.
Em fevereiro de 2002, Virginie, Dany e Yann se encontraram no Rio de Janeiro e lançaram um CD independente gravado totalmente de forma artesanal com apenas um microfone e um Pro Tools (BD Produções) em novembro o CD Déjà-Vu. distribuido no Brasil pela Trama e na Europa por Different World, com grande repercussão, que incluía composições inéditas e ainda regravações dos hits "Beat Acelerado" e "Johnny Love", além de "Aquarela do Brasil" (de Ary Barroso) e "Mensagem de Amor" (dos Paralamas do Sucesso). O álbum ainda teve as participações especiais de Jorge Mautner, Nelson Jacobina, Wally Salomão, Otto (ex-Mundo Livre S/A) e de Preta Gil, entre outros.
Xavier participou de algumas gravações (Achei Bonito, Johnny Love). Em 2003, Dany e Virginie convidaram o jovem tecladista Donatinho (então com 17 anos), e o guitarrista gaucho André Fonseca (Patife band/Titãs/Okotô/Inocentes) e que havia participado de Déjà-Vu para um tour que passou por São Paulo, Rio de Janeiro, Moçambique, Londres, Paris e Lisboa.

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

FLASH DANCE (1983)


Flashdance é um filme americano de 1983, do gênero romance musical, realizado por Adrian Lyne. O filme foi produzido por Jerry Bruckheimer e Don Simpson, e se tornou o terceiro filme mais assistido naquele ano  e também um dos mais conhecidos da década de 1980, com diversas de suas cenas sendo homenageadas nos anos seguintes.


Flashdance é inspirado na vida de Maureen Marder, uma mulher que trabalhava de dia como operária e de noite como dançarina em Toronto, e que aspirava entrar numa prestigiosa escola de dança. Pouco antes da estréia do filme, Maureen assinou um contrato no qual autorizava a Paramount Pictures a retratar sua vida no filme pela valor de 2.300 dólares. Após verificar o uso de coreografias do filme no vídeo da canção I'm Glad, de Jennifer Lopez, Maureen resolveu processar a Sony Corporation (realizadora do vídeo) e a Paramount Pictures, uma vez que o filme havia obtido cerca de 150 milhões de dólares, dos quais Maureen não teve parte.


Em junho de 2006, a Corte de Apelação de San Francisco negou a apelação de Maureen, com os três juízes concordando que, quando da assinatura do contrato, não havia evidência de que o mesmo estava sendo feito através de fraude, ainda que os valores possam ser considerados muito inferiores ao valor arrecadado nas bilheterias.

PRODUÇAO 
Inseguros do potencial do filme, executivos da Paramount Studios venderam 25% dos direitos à Don Simpson antes do lançamento. Foram realizados testes por todo o país para o papel de Alex Owens. Entre as finalistas encontravam-se Jennifer Beals, Demi Moore e Leslie Wing. Após o lançamento do filme, foi revelado que algumas cenas foram filmadas pela dançarina Marine Jahan.


O pôster do filme, com Jennifer Beals usando um suéter com a gola exageradamente esticada, tornou-se uma das marcas do filme. Tal efeito, entretanto, não foi obtido propositalmente. Beals havia deixado a roupa por tempo demais na lavadora, levando-a a encolher. Para que pudesse usá-la, teve que cortar um grande pedaço na gola.

REPERCUSSAO 

Flashdance foi o primeiro sucesso de um grupo de pessoas que viria a figurar entre as mais bem-sucedidas da indústria nos anos seguintes. O filme foi a primeira colaboração entre Don Simpson e Jerry Bruckheimer, que posteriormente viriam a produzir juntos Top Gun e Beverly Hills Cop, enquanto o diretor Adrian Lyne viria a participar de filmes como Fatal Attraction, Nine 1/2 Weeks, Indecent Proposal e Lolita. Lynda Obst, roteirista responsável pelo desenvolvimento do primeiro esboço do filme, viria a produzir Adventures in Babysitting, The Fisher King e Sleepless in Seattle.

PRÉMIOS
  • Oscar 1984 (EUA)
Venceu na categoria de melhor canção original (Flashdance... What a Feeling).
Indicado nas categorias de melhor fotografia, melhor edição, melhor canção original (Maniac) e melhor trilha sonora.
  • Globo de Ouro 1984 (EUA)
Venceu nas categorias de melhor trilha sonora - cinema e melhor canção original- cinema (Flashdance...What a Feeling).
Indicado nas categorias de melhor filme - comédia/musical, melhor actriz - comédia/musical (Jennifer Beals)e melhor canção original (Maniac).
  • BAFTA 1984 (Reino Unido)
Venceu na categoria de melhor edição.
Indicado na categoria de melhor trilha sonora, melhor som e melhor canção original (What a Feeling).
  • Grammy 1984 (EUA)
Venceu na categoria de melhor banda sonora de um filme ou programa de TV.
  • Framboesa de Ouro 1984 (EUA)
Indicado na categoria de pior argumento.

TRILHA SONORA

1."What a Feeling" - Irene Cara
2."He's a Dream" - Shandi
3."Love Theme From "Flashdance" - Giorgio Moroder
4."Manhunt" - Karen Kemon
5."Lady, Lady, Lady" - Joe Esposito
6."Imagination" - Laura Branigan
7."Romeo" - Donna Summer
8."Seduce Me Tonight" - Cycle V
9."I'll Be Here Where the Heart Is" - Kim Carnes
10."Maniac" - Michael Sembello
11."Gloria - Laura Branigan

sábado, 11 de dezembro de 2010

GIORGIO MORODER


Compositor e produtor musical italiano, Giovanni Giorgio Moroder nasceu em 26 de abril de 1940, em Ortisei. No início da década de 70 ele se dedicou a música lançando seus hits para a era disco, ritmo cultuado por toda a década. Seu primeiro hit foi “Looky, Looky” ainda no ano de 1969, bem ao estilo rock dos anos 60, e seu primeiro álbum em 1972 – Son of my Father. A faixa de mesmo título do álbum já apresenta indícios do que viria a ser o som futurista de Giorgio Moroder.

Giorgio Moroder e Donna Summer
Juntamente com o compositor Pette Bellote em 1975, Giorgio Moroder ganha grande reconhecimento no cenário musical produzindo a erótica “I Love to Love You Babe” que foi o primeiro grande hit da rainha da discotheque – Donna Summer. Ele ainda produziria o trio feminino The Three Degrees. Em 1977 Giorgio dá um show de tecnologia produzindo o mega-hit “I Feel Love” também com interpretação de Donna Summer, considerado um dos hits mais dançantes da era disco. Um viagem tecnológica com efeitos de sintetizadores jamais vistos. Donna Summer teria na década de 70 seus principais hits produzidos pela dupla Giorgio Moroder e Pette Bellote. Também no mesmo ano Giorgio lança o seu álbum de maior repercussão onde inclui o sucesso “From Here to Eternity”. O uso de sua voz robotizada com efeitos de samplers se faz presente neste trabalho.
A estréia no cinema vem no ano de 1978 com o filme ‘Midnight Express’ (O Expresso da Meia Noite) de Alan Parker e que já lhe rende o Oscar e Globo de Ouro como melhor trilha sonora daquele ano. A incrível faixa instrumental ‘The Chase’ pode ser encontrada na trilha sonora.

Em 1980 trabalhou na trilha sonora do filme “American Gigolo” com a faixa “Call Me” do grupo Blondie. Em 1982 foi a vez do filme “Cat People” com a faixa “Putting on the Fire” do superstar David Bowie. Ambos os filmes tiveram indicação para o Oscar e Globo de Ouro.
Em 1983 com o musical Flash Dance, Giorgio Moroder fatura dois Globos de Ouro e o Oscar para melhor canção “What a Feeling”, um mega-sucesso interpretado por Irene Cara.
Giorgio teve participações nas trilhas sonoras de grandes filmes como, Superman III, Rambo III, Beverly Hills Cop II, Thanks, God. It´s Friday.
Em 1984 Giorgio faz uma releitura do clássico do filme mudo ‘Metropolis’, de Fritz Lang (1926). A nova versão se passa no ano de 2.026 e conta com a trilha sonora de Pat Benatar (Here´s My Heart), Freddie Mercury (Love Kills), Loverboy (Destruction), Adam & The Ants (What´s Going on), Bonnie Tyler (Here She Comes), Billy Squier (On Your Own).
Em sua produções, Giorgio Moroder fez curta metragens como: “A Special Tree” com 12 minutos de duração e que ganhou o prêmio “Best Experimental – International” e “Audience Favorite – Experimental” no Palm Spring International Short Film Festival.

No mesmo ano foi indicado para o Globo de Ouro pela sua colaboração para o filme “Scarface” de Brian de Palma. Também produziu a trilha sonora do filme Neverending Story” (A História sem Fim) em parceria com Klaus Dondinger onde se destaca a faixa com o mesmo título do filme e interpretada por Limahl (ex-vocalista do Kajagoogoo). O documentário “The World in Which we Live” tem 30 minutos de duração e mostra fatos do mundo, todos relacionados a esportes, guerra, religião, política, arte, entretenimento. Este filme foi criado para alemã Television Channel 2 e recebeu o prêmio Bambi alemão.
Giorgio ainda produziria mais dois vídeos – Metamorphosis e Vorticoso.

Com parceria do líder do Human League – Philip Oakey – Giorgio produz o hit “Together in Electric Dreams” que está na trilha Sonora do filme “Electric Dreams” de 1985. Neste álbum solo de Philip Oakey se destaca também a faixa ‘Goodbye Bad Times’.
Em 1986 vem outra consagração com um Oscar e um Globo de Ouro como melhor canção para o filme Top Gun (Ases Indomáveis). A música é “Take my Breath Away” interpretada pela banda alemã Berlin. Do mesmo filme ainda temos “Danger Zone” com Kenny Loggins e “Hot Summer Nights” do grupo Miami Sound Machine.
A criatividade de Giorgio se estenderia também aos acontecimentos esportivos onde escreveu a música “Reach Out” para os Jogos Olímpicos de Los Angeles em 1984 e “Hand In Hand’ para as Olimpíadas de Seoul em 1988.
Um projeto especial e incomum para Giorgio foi o seu trabalho na concepção e produção do exótico super carro italiano, o Cizeta-Moroder. Este requintado, 16-cilindros, carro esporte italiano, estabeleceu novos recordes para a tecnologia de alta performance.

Giorgio Moroder (2008)
Em 1998 Giorgio recebeu o seu terceiro prêmio grammy pela canção ‘Carry On’ mais uma vez interpretada pela diva – Donna Summer.
Entre os vários nomes já citados acima, o mega produtor Giorgio Moroder também produziu artistas como: Elton John, Barbra Streisand, Janet Jackson, Jon Anderson, Van Halen, Sigue Sigue Sputnik, Ásia, Chaka Khan, Jeramine Jackson, Cher, Olívia Newton John, entre outros.
Em junho de 2.005 Girogio Moroder foi homenageado pelo Presidente da Itália – Carlo Azeglio Ciampi com o título de ‘Commendatore’.
Abaixo um check-list dos prêmios e indicações em que Giorgio Moroder conquistou durante sua carreira:



Academy Awards:

Melhor canção original
– Take my Breath Away do filme Top Gun
Melhor canção original – What a Felling do filme Flash Dance
Melhor pontuação original – Filme Midnight Express


Grammy Awards:

Melhor pontuação original
– Filme Flash Dance
Melhor canção instrumental – Love´s Theme from Flash Dance
Melhor gravação Dance – Carry On – Giorgio Moroder e Donna Summer


Globo de Ouro:


Melhor canção original – Take my Breath Away do filme Top Gun
Melhor canção original – What a Felling do filme Flash Dance
Melhor pontuação original – Filme Midnight Express
Melhor pontuação original – Filme Flash Dance
Candidata a melhor canção original – Call Me do filme American Gigolo
Candidata a melhor pontuação original – Filme American Gigolo
Candidata a melhor pontuação original – Filme Scarface
Candidata a melhor pontuação original – Filme Cat People

sábado, 4 de dezembro de 2010

CUBO MAGICO

Cubo mágico é um quebra-cabeça inventado em Budapeste, no ano de 1974 pelo húngaro Ernő Rubik, e foi idealizado a partir de exemplos de outros jogos, como o Tangran. Sua explosão de popularidade o tornou um dos ícones dos anos 80, quando o cubo passou a ser um brinquedo internacional. Mesmo saindo da Hungria aos milhões por ano, a demanda não era contida, surpreendendo os industriais. Foram criados centros de produção na China, em Hong Kong, no Brasil, entre outros. O desejo de ver as seis faces do cubo organizadas atingia todas as idades e profissões. Nenhum outro quebra-cabeça teve tantos adeptos, o que o tornou um brinquedo genial.
Em 1985 os direitos autorais sobre o cubo foram comprados por Seven Towns, que re-introduziu-o no mercado, obtendo muito sucesso. Atualmente Erno Rubik e Seven Towns trabalham próximos. Rubik está engajado a descobrir novos quebra-cabeças e continua sendo o principal beneficiado com sua invenção.
Existem várias versões, a mais conhecida é a versão 3x3x3 composta por 54 faces e 6 cores diferentes. Outras versões menos conhecidas são a 2x2x2, 4x4x4 e a 5x5x5.
Devido à grande complexidade de organização de suas cores, muitas pessoas acabam desistindo de tentar solucioná-lo. No entanto, muitos sites da WEB já disponibilizam gratuitamente vários métodos de resolução. Basta paciência, dedicação e interesse para desvendar definitivamente o mistério do Cubo Mágico de Rubik.
CURIOSIDADES

O que têm em comum um cubo mágico, a vitamina c e uma esferográfica?
A Hungria, mais precisamente a sua capital, Budapeste, é famosa pela intensa atividade cultural, fruto do enorme investimento estatal nesta área. Húngaros que contribuíram para o progresso da Humanidade: Albert Szentgyörgyi, o descobridor da vitamina "C", László Biró, inventor da esferográfica Bic e Ernõ Rubik, inventor do "cubo mágico".

- O cubo mágico é ao lado do LEGO, o brinquedo mais famoso do mundo.

- Diante da dificuldade em resolver o quebra-cabeça,  uma empresa chegou a comercializar, nos anos 80, um pacote com adesivos coloridos imitando as peças do brinquedo. Assim, qualquer um poderia colá-los convenientemente no objeto e fingir que tinha vencido.

- É um puzzle bastante utilizado para o desenvolvimento do raciocínio e coordenação motora

- O Cubo Mágico tinha 43 quinquilhões, 252 quatrilhões, 3 trilhões, 274 bilhões, 489 milhões e 856 mil combinações diferentes, mas havia gente que conseguia montá-lo em menos de 30 segundos!
Uma menininha de apenas 3 anos de idade (japonesa é claro) conseguiu organizar o cubo todo em surpreendentes 114 Segundos.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

ÁGUIA DE FOGO (1984)


O seriado Águia de Fogo (Airwolf), que estreou no dia 22 de janeiro de 1984, foi realizada pelo mesmo criador do seriado Magnum (Glen A Larson), outra série de destaque na década de 1980, onde havia um helicóptero nada comun, que possuia armas poderosas e era quase indestrutível (além de ser uma aeronave muito rápida).

Inicialmente foram produzidos 55 episódios, apresentados pela rede CBS, nos Estados Unidos, entre 1984 a 1986.
A primeira temporada da série foi muito bem escrita e com uma excelente direção, logo se tornou um grande sucesso mundial. Quando a segunda temporada chegou, trouxe algumas mudanças significativas, como a introdução de um elenco feminino regular, a bela Caitlin O´Shannessy (Jean Bruce Scott), como um ocasional terceiro piloto do Águia de Fogo.
Na terceira temporada a vida pessoal do ator Jan-Michael Vincent, começou a ficar conturbada, ele passou a se envolver com bebidas, drogas e frequentes brigas conjugais, o que começou a causar problemas durante a produção da série. Apesar desses problemas, a terceira temporada ainda conseguiu oferecer alguns bons episódios.
Ao término da terceira temporada, em 1986, a CBS encerrou a série. Depois de seu cancelamento, em 1986, o canal a cabo USA Network adquiriu os direitos do programa e produziu 24 novos episódios exibidos até 1988, totalizando 79 episódios. Na nova fase, os personagens foram substituídos, devido aos altos contratos com o elenco original. Entraram na série os personagens St. John, irmão até então desaparecido de Stringfellow, e Jo Santini - sobrinha de Dominic. Completando o time estava Geraint Wyn Davies (que faria depois o vampiro Nicholas Knight no seriado Maldição Eterna) como major Rivers. A Firma, agora de repente e inexplicavelmente passa a ser chamada de "A Companhia" tendo Jason Locke (Anthony Sherwood) como o novo contato.
Com efeitos cada vez mais pobres e histórias confusas, a série teve o seu fim definitivo em 1987.


A HISTÓRIA

"Stringfellow Hawke¨  experiente piloto   (Jan-Michael Vincent), que levantou numa manhã chateado e assim ao invés de sair ou alguma outra coisa, decidiu roubar um helicóptero, uma arma com a mais alta tecnologia que dispõe de velocidade supersônica, câmeras de visão infra-vermelha, sistema de vigilância, computadores, canhões, lançadores de mísseis, capacidade de ser reabastecido em pleno ar e outros equipamentos fabulosos.
Stringfellow Hawke trabalha com um grupo de pilotos que cumprem missões para a Firma, uma divisão secreta do governo dos Estados Unidos comandada por Michael Coldsmith-Briggs III (Alex Cord), codinome "Arcanjo". A razão real é que seu irmão St. John Hawke sumiu no Vietnã, e ele necessita de  influência para  obter ajuda para  encontrá-lo.

Além de se aventurar em missões perigosíssimas para a Firma, junto com o seu amigo Dominic Santini (Ernest Borgnine) ou da bela Caitlin O'Shannessy (Jean Bruce Scott), Stringfellow vive em busca de seu irmão St. John, desaparecido na Guerra do Vietnã. O hobby preferido de Stringfellow Hawke é tocar violoncelo em sua casa, nas montanhas.
Depois de seu cancelamento, em 1986, o canal a cabo USA Network adquiriu os direitos do Programa e produziu novos episódios exibidos até 1988. Os personagens foram substituídos pelo irmão até então desaparecido de Stringfellow, St. John, e Jo Santini - sobrinha de Dominic. Completando o time estava Geraint Wyn Davies (que faria depois o vampiro Nicholas Knight no seriado Maldição Eterna) como major Rivers.

NO BRASIL

No Brasil o seriado estreou na Rede Globo em 1985 e alcançou uma boa repercussão. Na ocasião a empresa de brinquedos Glasslite lançou o helicóptero Águia de Fogo para a criançada, com os pequenos personagens do seriado.
Anos mais tarde a Rede Record adquiriu os direitos do seriado e passou a reprisá-lo.

ELENCO
Jan-Michael Vincent - Stringfellow
Alex Cord - Arcanjo
Ernest Borgnine - Dominic Santini
Deborah Pratt - Marella

SPACE GHOST


Space Ghost era a metade de uma série animada televisiva chamada Space Ghost & Dino Boy, criada pela Hanna-Barbera; foi exibido pela primeira vez nos EUA pela CBS em 10 de Setembro de 1966. A série consistia em um episódio do Dino Boy e um do Space Ghost, aonde o herói combatia vilões espaciais, com ajuda de dois adolescentes, Jan e Jace e de um macaco chamado Blip. A série terminou em 7 de Setembro de 1968.
O design da série foi feito pelo cartunista Alex Toth. Alex Toth, que já havia desenhado gibis de super-heróis como o Flash e Lanterna Verde para a DC Comics. Toth havia criado HQs para a EC Comics, nos anos 50 e quadrinizado diversos filmes e séries de TV como Zorro e Rio Bravo.
O herói intergaláctico, poderoso e gentil, usava uma roupa branca, máscara preta (que jamais tirava) e tinha a capacidade de voar e ficar invisível, graças ao seu cinto de invisibilidade que também lhe concedia super-força. Space Ghost tinha ainda, em cada pulso, um bracelete com botões que, quando pressionados, emitiam raios com várias funções, entre elas, a projeção de escudos de força. Com muita concentração ele podia também se teleportar, transformando todos os átomos de seu corpo em energia. Mesmo com a capacidade de voar, Space Ghost tinha uma espaçonave, chamada de Crusador Fantasma, que podia atingir altas velocidades e estava sempre equipada com inúmeros armamentos de tecnologia avançada.
Space Ghost vivia em seu quartel-general situado no Planeta Fantasma (Ghost Planet), onde em sua sala de comunicação ele tinha acesso a computadores super-avançados, sala de radar e até um hangar. Em suas aventuras, patrulhando as galáxias, Space Ghost contava com a ajuda dos gêmeos Jan e Jace. O macaco Blip, entretanto, só apareceria na década de 1980. Os três possuíam um cinto de invisibilidade, um aparelho de comunicação e um pequeno jatinho nas costas que os fazia voar. Jan e Jace tinham ainda, uma espécie de motocicleta voadora.

As histórias mostravam o herói salvando os gêmeos de algum perigo espacial representado na figura de alguns monstros como Viúva Negra, Zorak, Sarrasco Humano, Lurker, Glasstor, entre outros.
Em 1976, após ser cancelado, a rede NBC reprisou o desenho junto com Frankenstein Jr., mudando seu título para Space Ghost and Frankenstein Jr. Show. E em 1981, o diretor de programação da emissora, Fred Silverman, criou o programa Space Ghost Show, onde era exibido desenhos com vários super-heróis.
Em 1994, o herói ganhou uma série no canal Cartoon Network onde entrevista celebridades que aparecem em um televisor, tendo Zorak e Moltar como auxiliares. Em 1995, um programa seguindo o mesmo estilo foi produzido, chamado de Cartoon Planet com Space Ghost.

Na década de 80, a editora Comico fez uma adaptação em quadrinhos do Space Ghost.
Em 2004, a DC Comics publicou uma mini-série intitulada Space Ghost que apresentava a versão original - série - do personagem, em uma aventura de ficção científica que mostrava pela primeira vez a origem do herói.
A série foi escrita por Joe Kelly e desenhada por Ariel Olivetti. O nome real de Space Ghost é relevado: Thaddeus Bach (em Space Ghost de Costa a Costa, é dito que o nome real dele é Tad Ghostal). Bach, um pacifista interplanetário, é traido por oficias corruptos, que assassinam sua esposa grávida e o abandonam em um planeta desolado. Bach é resgatado por um alienígena que lhe dá uma razão para viver e a tecnologia contida em seu traje.

DUBLADORES ORIGINAIS
Gary Owens - Space Ghost
Tim Matheson - Jan
Ginny Tyler - Jace

DUBLADORES BRASILEIROS
Arakém Saldanha - Space Ghost
Rita Cleós - Jan
Olney Cazarré - Jace

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

TEARS FOR FEARS


Curt Smith e Roland Orzabal
O Tears for Fears foi umas das mais adoradas bandas pop britânicas que fizeram sucesso na década de 80, após a onda new wave. Era formada por Roland Orzabal (vocal/guitarra), além de ser o principal compositor e Curt Smith (vocal/baixo), Ian Stanley (teclados) e Manny Elias (bateria). Oriundos da cidade de Bath, no interior da Inglaterra, antes de formar a banda, Roland Orzabal e Curt Smith fazia parte da banda Graduate, que misturava rock com vários elementos, isso ainda na década de 70. O Tears For Fears  se destacou pela versatilidade de temas usados em suas canções, pelo detalhismo e pela vigorosa utilização do sintetizador. Venderam mais de vinte milhões de discos e obtiveram vários discos de ouro e de platina. 
The Hurting (1981), pirmeiro álbum
A banda lançou o primeiro álbum "The Hurting" em 1981, obtendo alguns sucessos na parada inglesa, como Pale Shelter, Mad World (esta alcançou o 3º lugar no reino unido), The Hurting e Change (hit top 40 na Austrália, Canadá, Irlanda, Itália, Holanda e África do Sul). O disco tinha um estilo techno e até mesmo gótico, com letras depressivas refletindo um sofrimento emocional e onde se encontra com mais vigor a teoria do Grito Primal do psicanalista Arthur Janov, que deu origem ao nome da banda. No final de 1983, a banda lançou um single, " The Way You Are ", denominado como um "paliativo" enquanto trabalhava no seu segundo álbum. O single foi um hit Top 30 no Reino Unido, mas não chegou perto de combinar o sucesso dos hits do primeiro álbum, e só entraria no sétimo álbum (uma coletânea de lado B) que veremos mais a frente. Contudo, o álbum de maior sucesso e considerado a obra máxima do grupo é Songs From The Big Chair (1985). O disco viria a vender mais de 10 milhões de cópias, e sucessos como "Everybody Wants to Rule The World" e "Shout" (ambas atingindo o 1º lugar nas paradas americanas) e "Head Over Heels" (3º lugar).

Seeds Of Love (1989)
O grupo sairia em turnê para só depois de quatro anos lançarem outro álbum, mais pop (e sem a influência psicanalista vista no início) ainda do que os anteriores, chamado Seeds Of Love (1989). Hits como "Sowing the Seeds of Love", "Advice for the Young at Heart" e principalmente a balada "Woman in Chains" (um hit Top 40 no Reino Unido, no Canadá, França , Irlanda, Itália, Holanda, Suécia e os EUA), em que Phil Collins tocava bateria e lançando a cantora Oleta Adams, (antes desconhecida). Este trabalho, considerado por muitos fãs como o melhor, traz elementos de jazz e soul, clara influência de Oleta Adams, sobretudo nas canções "Badman's Song" e "Standing on the Corner of the Third World", encorpando e amadurecendo o bom trabalho feito no álbum anterior (Songs From The Big
Chair).
Coletânea Tears Roll Down (1992)
Devido a inúmeras  divergências  entre Roland e Curt, com relação ao andamento do grupo, e como cada vez Curt participa menos na composição e nos vocais, a dupla se separa e, através de uma decisão judicial, Roland pode seguir com o nome da dupla. Logo após, é lançada a coletânea Tears Roll Down (Greatest Hits 1982-1992).
Com o nome da banda em seu poder, Roland lança o álbum Elemental (1993), que ainda conseguiu relativo sucesso com "Break it Down Again" (Top 20 no Reino Unido, Canadá, França e Itália), e depois seguem-se ainda Raoul and the Kings of Spain (1995), e ainda mantendo o nome Tears for Fears, lança o sétimo álbum Saturnine Martial & Lunatic (1996) sendo este um "B-Side" (uma coletânea de labo B). Curt Smith em carreira solo, lança o fracassado Soul on Board (1993) e o Mayfield (1998).
Com as fracas vendas do último disco, Roland lança em carreira solo o álbum Tomcats Screaming Outside, em 2001.

Everybody Loves a Happy Ending (2004)
Depois de quaze 15 anos separados (não gravam juntos desde 1989), Orzabal e Smith anunciam a volta do Tears for Fears e lançam Everybody Loves a Happy Ending (2004) com o single "Closest Thing To Heaven". O clipe promocional para o single foi uma fantasia colorida que contou com atriz Brittany Murphy andando em um balão de ar quente.
                                                                    DISCOGRAFIA

The Hurting (1983)
Songs From The Big Chair (1985)
Seeds Of Love (1989)
Tears Roll Down - Greatest Hits (1992)
Elemental (1993)
Raoul And Kings Of Spain (1995)
Saturnine Martial & Lunatic (1996)
Everybody Loves a Happy Ending (2004)
Secret World - Ao Vivo (2006)



sábado, 27 de novembro de 2010

CAÇA FANTASMAS (1984)


Os Caça Fantasmas é uma comédia de ficção cientifica de 1984, que conta a história de três excêntricos parapsicólogos de Nova York que após perderem seus empregos na Universidade Columbia, começam seu próprio negócio de investigação e captura de fantasmas, chamado Ghostbusrters.


No início, a empresa só tem dívidas e nenhum cliente e depende do talento de cada um para sobreviver: Dr. Egon Spengler (Harold Ramis) é um inteligente cientista, Dr. Raymond Ray Stantz (Dan Aykroyd) é metalúrgico e um especialista em paranormalidade e Dr. Peter Venkman (Bill Murray), embora seja um tremendo charlatão, tem charme para o trabalho! E sua secretária Janine (Annie Potts) que é apaixonada por Egon.


Esperançosos para que a empresa dê certo, eles não desistem, mesmo acumulando dívidas, até que surge sua primeira cliente Dana Barrett (Sigourney Weaver), uma violoncelista que estava tendo problemas em seu apartamento. Parecia que um demônio chamado Zuul havia invadido sua geladeira. Venkman decide investigar o fato e acompanha Dana até seu apartamento. A primeiro momento ele não encontra nenhuma entidade no local e aproveita o tempo para jogar seu charme em cima de Dana, mas não consegue conquistá-la.


No dia seguinte, um gerente de Hotel pede a ajuda deles para capturar um fantasma comilão e estranho (Geléia). É nesse momento que o equipamento dos Caça Fantasmas é testado, após muita confusão eles conseguem capturar o fantasma e comprovam que o equipamento funciona. Surgem então diversas aparições de fantasmas em Nova York e eles são sempre chamados e assim, ganham prestígio e reconhecimento através da mídia. Eles ficam tão sobrecarregados de trabalho que contratam Winston Zeddmore (Ernie Hudson), que nada sabe de assuntos paranormais mas quer um emprego que pague bem.


Continuando com a investigação sobre o demônio Zuul, eles descobrem que ele foi um tipo de deus adorado pelos hititas há 6000 a.C. e que hoje serve a Gozer, um demônio que queria destruir Nova York. Um portal é aberto e os Caça-Fantasmas precisam impedir que Gozer cumpra seu plano. Eles localizam o portal no terraço do prédio Shandor e lá começam a batalha! Gozer precisa se materializar e usa a energia dos pensamentos dos Caça Fantasmas. Sabendo disso, Egon pede para que todos deixem suas mentes vazias, mas Ray não consegue e pensa num conhecido mascote de uma empresa e surge então o Gigante de Marshmallow entre os prédios da cidade! A luta é dura e difícil, mas os Caça Fantasmas conseguem derrotar Gozer e libertar a cidade de Nova York desse demônio!

FICHA TECNICA

Título original: "Ghostbusters"
EUA, 1984, 101 minutos.

Bill Murray - Dr. Peter Venkman
Dan Aykroyd - Dr. Raymond Stantz
Harold Ramis - Dr. Egon Spengler
Sigourney Weaver - Dana Barrett / Zuul
Rick Moranis - Louis Tully / Vinz Clortho
Annie Potts - Janine Melnitz
William Atherton - Walter Peck
Ernie Hudson - Winston Zeddemore
David Margulies - Prefeito
Jennifer Runyon - Jennifer
Slavitza Jovan - Gozer
Larry King - Larry King
Ivan Ritman - Zuul / Geléia – vozes

Direção: Ivan Reitman
Produção: Ivan Reitman
Roteiro: Dan Aykroyd e Harold Ramis
Música: Elmer Bernstein
Fotografia: László Kovács
Desenho de Produção: John DeCuir
Direção de Arte: John DeCuir Jr. e John Jay Moore
Efeitos Especiais: Boss Film Studios / Entertainment Effects Group
Edição: David E. Blewitt e Sheldon Kahn
Figurino: Theoni V. Aldredge
Estúdio: Columbia Pictures Corporation / Black Rhino Productions
Distribuição: Columbia Pictures
Genêro: Comédia
Site Oficial: http://www.ghostbusters.com/



USA FOR AFRICA (1985)


USA for Africa (United Support of Artists for Africa), foi o nome sob o qual quarenta e cinco artistas norte-americanos, produzido e dirigido pelo produtor musical Quincy Jones e liderados por Harry Belafonte, Kenny Rogers, Michael Jackson e Lionel Richie, gravaram o compacto "We Are The World" em 1985 para angariar fundos para as vítimas da fome na Etiópia. A canção alcançou a primeira colocação na parada de sucessos dos Estados Unidos e do Reino Unido em abril daquele ano.
A vendagem atingiu 7 milhões de cópias só nos Estados Unidos, tornando-se um dos singles mais vendidos de todos os tempos.
A maioria dos lucros da empreitada foi para a USA for Africa Foundation, que os usou para ajudar as vítimas da fome e doenças na África, especialmente para a Etiópia; alguns críticos da ação alegam, entretanto, que o dinheiro arrecadado foi entregue aos governos (muitos dos quais militares) dos países afetados pela fome em vez da população final.

Michael Jackson
O USA for Africa também realizou um evento beneficente, Hands Across America, no qual aproximadamente 7 milhões de pessoas seguraram as mãos em uma corrente humana durante 15 minutos, num caminho que se espalhava pelos Estados Unidos. Os participantes pagaram 10 dólares para ingressar na fila. O dinheiro arrecadado também serviu para aliviar a fome e a falta de moradias na África.
As receitas combinadas da vendas de "We Are the World" e do evento "Hands Across America" totalizaram cerca de 100 milhões de dólares.

WE ARE THE WORLD

A canção foi composta por Michael Jackson e Lionel Richie, produzida por Quincy Jones e gravada em 28 de janeiro de 1985 no A&M Studios em Hollywood, Califórnia.
A gravação de uma apresentação ao vivo, feita em 13 de junho de 1985, foi lançada no DVD do Live Aid em 8 de novembro de 2004.
A sugestão veio de Harry Belafonte, inspirado pelo sucesso da Band Aid e seu compacto "Do They Know It's Christmas?" em 1984.
Bruce Springsteen e Al Jarreau
Para a gravação foi escolhido o mesmo dia da premiação American Music Awards, para assegurar que o maior número possível de artistas comparecesse. No total, participaram 45, inclusive Bob Geldof, que organizou o Band Aid no Reino Unido. Os vocais foram dividos entre 21 cantores, incluindo Richie, Jackson, Tina Turner, Bob Dylan e Bruce Springsteen.
Como era de se esperar, o compacto foi um grande sucesso, vendendo mais de 7,5 milhões de cópias só nos Estados Unidos, seguido por um álbum, USA for África: We Are The World, que vendeu mais 3 milhões, e que trazia músicas de outros artistas. O montante arrecadado com as gravações, um videoclipe e merchandising chegou a 50 milhões de dólares.

MÙSICOS PARTICIPANTES

Dan Aykroyd, Harry Belafonte, Lindsey Buckingham, Kim Carnes, Ray Charles, Bob Dylan
Sheila E., Bob Geldof, Daryl Hall, James Ingram, Jackie Jackson, LaToya Jackson, Marlon Jackson, Michael Jackson, Randy Jackson, Tito Jackson, Al Jarreau, Waylon Jennings, Billy Joel, Cyndi Lauper, Huey Lewis, Kenny Loggins, Bette Midler, Willie Nelson, John Oates, Jeffrey Osborne, Steve Perry, The Pointer Sisters, Lionel Richie, Smokey Robinson, ,Kenny Rogers, Diana Ross, Paul Simon, Bruce Springsteen, Tina Turner, Dionne Warwick, Stevie Wonder.


INSTRUMENTALISTAS

Michael Boddicker - sintetizadores, programação
Paulinho da Costa - percussão
Louis Johnson - baixo
Michael Omartian - teclados
Greg Phillinganes - teclados
John Robinson - bateria


sexta-feira, 26 de novembro de 2010

FERRORAMA


Lançado no começo dos anos 80 no Brasil pela manufatura de brinquedos Estrela, o Ferrorama, era um dos brinquedos mais completos da época. Com uma locomotiva elétrica, acompanhada de vagões em uma pista que variava de acordo com o modelo.
O modelo XP 100 foi o primeiro a ser lançado e obviamente era o modelo mais simples.
O com uma pista oval trazia dois vagões (o de carvão e o de carga), e a locomotiva com marcha-à-ré.
   
Ferrorama XP-100 (Modelo mais simples)
O modelo XP 200 apresentava um vagão a mais, que era o de combustível (amarelo com o símbolo da Shell), além de desvios e desengate automático de vagões. Pouca diferença do modelo XP 300, que apresentava como novidade uma pista um pouco maior que o XP 200.

Ferrorama XP-200
 Vamos ao XP 400, este com apenas dois vagões, o de carvão e um vagão de passageiros na cor azul com uma faixa branca na lateral. A pista agora conta com rampas e cancela, alem dos desvios.

Ferrorama XP-400
No modelo XP 500, locomotiva muito maior e mais envocada, com apenas um vagão de passageiros, a pista com um novo circuito tinha como grande novidade uma ponte. Mas sem sombra de dúvida o modelo mais completo desta serie era o XP 600, lançado um pouco depois. Uma nova locomotiva na cor vermelha com faróis que acendiam e duas velocidades, com um vagão de passageiros também na cor vermelha.

Ferrorama XP-500
 A pista apresentava vários pilares, com 25 curvas, três desvios e varias retas além de cancela e ponte. Mais duas séries foram lançadas pela Estrela. Os modelos XP 1100, XP 1200, XP 1300, XP1400 e XP 1500, que tinham poucas diferenças dos modelos anteriores. A principal novidade estava na locomotiva, agora com faróis e o som da Maria-fumaça.

Pista Ferrorama XP-200 Montada
A ultima série batizada de SL trazia os seguintes modelos: SL-2000, SL-3000, SL-4000, SL-5000 e SL-5000 “Beto Carreiro”, com traçados bem diferentes dos anteriores, pois tinham desvios duplos, cruzamento em X, casinha de som, vagão com containeres, e também um modelo com duas locomotivas (bem mais coloridas, assim como os vagões). Hoje em dia muitas são as pessoas (na maioria marmanjos com mais de 30 anos..rs) que colecionam o Ferrorama, para satisfazer um sonho de infância, ou simplesmente para trazer boas lembranças. Falando nisso, lembro muito bem o dia em que ganhei o meu Ferrorama XP 100, isso no começo dos anos 80. Uma alegria única e que esta viva em minha memória ate hoje. Acho que foi o brinquedo que mais marcou a geração de garotos dos anos 80.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

MIAMI VICE (1984)


Miami Vice é talvez o mais fiel retrato da TV norte-americana da década de 1980. Com seu estilo característico - violência em câmera lenta, clips de rock, o seriado tornou-se um grande sucesso nos EUA, chegando a influenciar até a vida real. O vestuário adotado pelo personagem Sonny - com blazers por sobre a camiseta -, por exemplo, virou moda entre os americanos. As vendas de meias caíram e os homens procuravam aparelhos de barbear que os deixassem com aquele ar blasé de Don Johnson de quem tinha acabado de acordar. Os protagonistas Sonny e Rico tornaram-se referência fácil em filmes e séries por seu estilo yuppie que representava muito bem a década de 1980.
O sucesso estrondoso da série colocou os dois heróis nas capas das principais revistas americanas e tornou-os conhecidos em praticamente todo o mundo. Uma onda de brinquedos, CDs, calendários, pôsteres e todo tipo de quinquilharias que rende milhões, foi lançada. E a série continua arrebanhando fãs até hoje em todo mundo, mesmo depois do seu fim.
O seriado - que durou cinco temporadas - ficou conhecido também pelas inúmeras participações especiais, como de Bruce Willis, o cantor Glenn Frey (da banda Eagles), Phil Collins (baterista e vocalista da banda britânica Genesis), Julia Roberts, Frank Zappa, Gene Simmons (baixista e vocalista da banda estadunidense Kiss) e Samuel L. Jackson, além de vários outros astros do rock setentista como David Johansen (The New York Dolls) e Ted Nugent, o que muito ocorreu durante a série televisiva.
A música tema da série (instrumental) é executada por Jan Hammer que muito atuou com o lendário guitarrista Jeff Beck (The Yardbirds, Rod Stewart, e extensa carreira solo).

A HISTÓRIA

Sonny era um policial durão que usava como disfarce a identidade de um traficante chamado Sonny Burnett. Divorciado de Caroline e pai de Billy, ele estava eventualmente às voltas com as mulheres e morava no barco, "St. Vitus Dance", apenas com o seu crocodilo de estimação chamado Elvis, o ex-mascote da Universidade da Flórida. Crocket era um ex-vietnamita que trabalhava no departamento de policia de Miami há 10 anos e foi exatamente quando estava investigando o traficante colombiano Calderone que Rico Tubbs chegou a Miami atrás do mesmo criminoso.
Rico Tubbs era um tira nova-iorquino que estava atrás de Calderone por este ter assassinado seu irmão e seu chefe. A primeira coisa que ele fez ao chegar a Miami foi se indispor com Soony Crocket, mas foram obrigados a trabalharem juntos. O ar de malandro de Tubbs desapareceu durante a série deixando a Phillip o papel de um cara cool que se vestia com bom gosto e sabia dançar break. Tubbs acreditava que seu filho havia morrido, mas na verdade ele lhe foi tirado por antigo inimigo (John Leguizamo) que queria vingar a morte de seu pai.
Tubbs não podia voltar a Nova Iorque pois tinha alguns problemas por lá, assim acabou ficando em Miami e tornando-se parceiro de Sonny na divisão antidrogas, onde trabalhou se infiltrando sob a pele de Ricardo Cooper.
Já no sexto episódio ingressou na série o Tenente Martin Castilho, chefe da divisão de narcóticos de Miami que logo impôs  respeito até pra quem não trabalhava pra ele. De olhar frio e penetrante, Castilho era um ex-agente da CIA que havia trabalhado infiltrado na Ásia. Ele chegou a policia de Miami substituindo Lou Rodriguez, morto dois episódios antes, e logo mostrou sua capacidade profissional, apenas com ações, nunca falando mais do que o necessário.
A equipe de narcóticos de Miami ainda contava com a dupla de detetives Stan Switek e Larry Zito, dois atrapalhados tiras que dirigiam uma van de dedetização como disfarce, usando telefones grampeados e outros aparatos para monitorar os seus suspeitos. Gina Calabrese  e Trudy Joplin eram as detetives que, num roteiro nitidamente machista, viviam disfarçadas de prostitutas. Sonny e Rico ainda tinham a ajuda de um informante muito louco, chamado Noogie Lamont.

NO BRASIL

No Brasil a série passou pela primeira vez em março de 1986, no SBT, onde teve suas três primeiras temporadas exibidas. Em 1990 a série foi para Rede Globo que exibiu os episódios inéditos mas com inúmeros cortes. Em 1991 a Rede Gazeta mostrou os episódios que faltavam do quinto ano e em 1993 a série voltou para Rede Globo agora de madrugada.
Na TV paga o seriado foi mostrado pelo USA e pelo Canal Sony, até chegar novamente a TV aberta quando foi exibido pelo canal 21 em 2001.

ELENCO

Don Johnson - James 'Sonny' Crockett
Philip Michael Thomas - Ricardo Tubbs
Edward James Olmos - Tenente Martin Castillo
Saundra Santiago - Gina Navarro Calabrese
Olivia Brown - Trudy Joplin
Michael Talbott - Stanley Switek
John Diehl - Larry Zito
Martin Ferrero - Izzy Moreno
Charlie Barnett - Noogie Lamont
Sheena Easton - Caitlin Davies-Crockett
Pam Grier - Valerie Gordon
Belinda Montgomery - Caroline Crockett